Notícias

18/04/2022 10:00


APRESENTAÇÃO DE UM MANUSCRITO JESUÍTA DO SÉCULO XVIII

Publicado entre 1730 e 1740, em espanhol e latim, o livro lunar, obra do astrônomo Buenaventura Suárez, ajuda a contar a história das reduções jesuítas.
No dia 18 de abril, a partir das 13h (horário local), o CEB apresenta com exclusividade um manuscrito organizado pelo primeiro astrônomo sul-americano, padre Buenaventura Suárez. Publicada por volta de 1740, em espanhol e latim, a obra inclui as coordenadas geográficas das 30 reduções da Província Jesuíta do Paraguai, determinando a distância entre cada uma.
A obra chegou às mãos do professor da Faculdade de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Brasil), Edison Hüttner , em 2017. Embora o livro tivesse perdido algumas páginas e não tivesse título , o professor Hüttner deduziu que era um lunar pelo tipo de caligrafia e conteúdo. “Com vários temas, pretendia ensinar cultura geral aos jesuítas e aos índios”, diz.
A obra foi exposta na biblioteca da PUCRS em 2018 e agora Edison Hüttner, coordenador do projeto Arte Sacra Jesuíta-Guarani, a apresenta na Espanha. Hüttner será acompanhado por José Manuel Santos Pérez, professor da área das Américas da Universidade de Salamanca, que se encarregará de contextualizar brevemente a época em que o manuscrito foi escrito.
Você pode acompanhar o evento ao vivo pelas redes sociais do CEB:  Facebook  e  Youtube . Não é necessário registro prévio.

O astrônomo e o manuscrito
Com formação eclesiástica e científica em Córdoba (Argentina), Buenaventura Suárez atuou na Redução de San Cosme e San Damián, no atual Paraguai. Ele foi um pioneiro dos estudos astronômicos na América e, usando instrumentos trazidos da Europa, como dois telescópios ingleses, conseguiu prever eclipses e as fases da lua. Em 1720 concluiu o "Lunario de un siglo que começou em seu original em janeiro do ano de 1740, e termina em dezembro do ano de 1841", publicado pela primeira vez em Lisboa em 1744.
O livro tem uma capa de couro de 34,2 cm por 19,8 cm e foi escrito com uma caneta de pena. A tinta tem a mesma composição usada nas chamadas cartas anuais (relatórios periódicos que os responsáveis ​​da Província Jesuíta do Paraguai enviavam aos seus superiores em Roma). O papel é veneziano e tem marcas d'água em 30 páginas: círculos, crescentes, âncoras e estrelas. A data de publicação da obra foi deduzida levando em conta a cronologia dos Papas: o último mencionado é Clemente XII, cujo pontificado se estendeu de 1730 a 1740.
Edison Huttner
É Professor do Programa de Pós-Graduação em História e Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Brasil). Possui doutorado em Teologia pela Pontificia Universitá Gregoriana (Roma, Itália) e pós-doutorado em História pela PUCRS.
Assinta aqui 

 

 

EM DESTAQUE

CONHEÇA SUA ALDEIA NAS ESTÂNCIAS DE BOSSOROCA

Vinagre de Mel

Produzido através da fermentação do pólen apícola, água e mel.

Saiba mais

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...