Notícias

09/05/2018 09:39


A ARTE DE BENZER E FAZER O BEM por Karin Schmidt

Entrevista com EMÍLIA HENZEL HOFFMANN (a dona Mila), 94 anos de idade.
FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM
No último domingo, 06/05, ela completou 94 anos de vida. E pode dizer que viveu muito bem, sempre preocupada em ajudar quem a procurava. Carinhosamente conhecida por dona MILA, Emília Henzel Hoffmann, natural de Cerro Largo, mas que reside em Roque Gonzales desde os 6 anos de idade, é muito conhecida na região por ainda exercer uma atividade que está desaparecendo: o ato de benzer para afastar doenças que a ciência não consegue resolver. Em função da idade e da saúde frágil, ela tem evitado a frequência do ofício da benzedura. Mas sua trajetória está na memória de muitas gerações, que foram abençoadas por suas orações e por sua ternura.
Mesmo sabendo que tinha o dom, dona Mila, que é viúva e foi casada por 58 anos, demorou para iniciar essa prática porque houve uma época em que, para muitas comunidades, o benzimento não era bem visto. Mas, o sentimento de missão a ser cumprida falou mais alto em seu coração. E, aos 60 anos de idade, ela passou a FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM.
Com muita afetuosidade na voz e no olhar, dona Mila diz que “para benzer precisa ser uma pessoa de coração muito bom, porque o benzimento não é uma escolha. É um dom, uma missão que Deus nos dá pra ajudarmos quem precisa”. Sempre enfatizando: “não julgo ninguém, mas eu não faço nada pro mal, só pro bem”.
Ela conta, com muito orgulho, que foi a primeira rainha e presidente do grupo da terceira idade de Roque Gonzales, sempre dando um jeitinho, entre um causo e outro, de dizer o quanto gosta de música e de dançar. Para dona Mila, os idosos devem sempre estar informados. “Nós, velhos, se não nos informarmos um pouco ficamos muito bobos. A gente tem que acompanhar o que está acontecendo no mundo. Não só notícias ruins, mas também ver lugares bonitos, que a gente não tem como ir conhecer. Daí viajamos vendo na televisão”.
Quanto ao segredo de sua longevidade? Bom, isso vou deixar que cada um descubra nas suas respostas simples e de muita sabedoria, especialmente a forma como ela analisa o presente e o futuro. Mas não posso deixar de expressar o que ela significa em minha vida. Dona Mila, a senhora me benzeu quando eu era criança e por todas as vezes que lhe procurei. Tenho certeza de que muitas outras pessoas que receberam seu benzimento, compartilham deste mesmo sentimento de gratidão e reconhecimento: muito mais que curar os males, a senhora abençoa o nosso coração. Peço muito a Deus por sua saúde e de outras benzedeiras que continuam por aí, em algum lugar, firmes na missão e na tradição de FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM.
COMO SURGIU O BENZIMENTO EM SUA VIDA?
Dona Mila - Fui na casa da minha tia, em São Sebastião do Caí, e achei um papel onde estava escrito o benzimento. Aí perguntei: tia a senhora benze? Ela disse: não. Mas é bom que você achou esse papel, porque era da minha mãe que benzia. Minha mãe morreu e eu não posso benzer porque passo mal e me sinto fraca. No papel ensinava como benzer pra míngua, erisipela, cobreiro, mordida de aranha, rendidura, e outros males.
QUANDO E QUEM FOI A PRIMEIRA PESSOA BENZIDA PELA SENHORA?
Dona Mila - Benzi pela primeira vez aos 60 anos de idade, uma mulher aqui da região das Missões que tinha erisipela no rosto (inflamação vermelha na pele). Minha comadre me procurou dizendo que os médicos não conseguiam curar ela, e a família estava à procura de uma benzedeira pra ajudar. Eu sabia que tinha este dom, mas na época eu não praticava porque as benzedeiras eram chamadas de feiticeiras.
POR QUE AS BENZEDEIRAS ERAM CHAMADAS DE FEITICEIRAS?
Dona Mila - Muita gente vinha aqui querendo me pagar bem caro pra eu fazer trabalho, como juntar um homem e uma mulher. Eu não fazia isso porque não se pode forçar uma pessoa a ficar com outra. Só Deus pode fazer isso. Eu nunca benzia quando era pro mal. Este é um dos motivos que chamavam as benzedeiras de feiticeiras, porque muitas faziam pro mal, mas não eram todas. Eu não julgo ninguém, só que nunca fiz isso. Assim como sou católica de batismo, mas não sou contra outras religiões, porque Deus é um só.
E A PRIMEIRA PESSOA QUE A SENHORA BENZEU FICOU CURADA?
Dona Mila - Sim. Minha comadre trouxe a mulher aqui em casa, que me pediu muito pra benzer. Concordei, mas fiz prometerem que não contariam a ninguém. Benzi e ela sarou. Mas não adiantou e isso se espalhou, porque ela estava curada e pra quem perguntava contavam que a benzedeira era eu. Dali em diante eu não conseguia mais vencer, de tanta gente que vinha na minha casa buscando ajuda.
QUALQUER PESSOA PODE BENZER?
Dona Mila - Pra rezar e benzer precisa ser uma pessoa de coração muito bom. Porque é um dom que Deus dá pra gente e temos que sentir que Deus tocou nosso coração. Benzer não é uma escolha. É um dom, uma missão de Deus pra ajudarmos quem precisa. Em todos os meus benzimentos, Deus sempre esteve presente. Quando benzia pra míngua, uma das doenças que mais ataca as pessoas, primeiro fazia o sinal da cruz e depois do benzimento a pessoa tem que rezar um pai nosso e uma ave maria.
O QUE É MÍNGUA?
Dona Mila - É um mal que dá na pessoa. Não deixa ela dormir mais, nem sentir fome, nem sorrir, e assim, se não for benzida, aos poucos vai defnhando à míngua. É como se tivesse uma coisa ruim na vida daquela pessoa e é difícil o médico curar.
A SENHORA BENZE TODOS OS DIAS?
Dona Mila - Não benzo aos domingos e nem de noite. E somente em dias de sol. Mas se for uma pessoa que precisa muito, daí benzo na hora que ela necessita.
QUALQUER PESSOA QUE RECEBE O BENZIMENTO PODE FICAR CURADA?
Dona Mila - Quem recebe o benzimento precisa ter fé e acreditar em Deus, porque se ela não tiver fé não vai adiantar. Lembro bem de uma vez que benzi um padre, porque a mãe dele veio me pedir. Ele estava de cama já tinha dias e os médicos não conseguiam ajudar. Fui até ele e vi que tinha febre de erisipela e não melhorava. Quando cheguei ele disse: me benze, me ajuda por favor. No dia seguinte ele estava curado, levantou da cama e nunca mais teve erisipela.
NA ÉPOCA ERA COMUM BENZER PADRES? 
Dona Mila - Não era. Porque maioria dos padres era contra benzimento, mas ainda assim ele me pediu ajuda e tinha fé. E eu nunca disse nada a ninguém, porque só Deus precisa saber quem ajudamos.
QUALQUER PESSOA PODE BENZER?
Dona Mila - Somente se ela tiver fé. Eu já ensinei muitas pessoas que me pediram. Só que não adianta, porque a pessoa pode até dizer as orações do benzimento, mas se faltar fé, não vai conseguir curar ninguém.
A SENHORA TEM IDEIA DE QUANTAS PESSOAS JÁ CUROU?
Dona Mila - Muita gente. Tem pessoas que benzi quando eram crianças. Agora elas vêm aqui com os filhos e netos e me dizem assim: a senhora não lembra, eu era uma guriazinha quando minha mãe me trazia na sua casa pra me benzer. Daí tu pode tirar uma ideia do tempo que faz. As crianças que vinham aqui já estão casadas, têm filhos, netos e agora trazem eles pra benzer.
A SENHORA ACHA QUE ANTIGAMENTE ERA MAIS TRANQUILO E TINHA MENOS VIOLÊNCIA?
Dona Mila - Eu vou dizer que nem Nossa Senhora de Fátima disse: Rezai o rosário pra salvar o mundo. Eu tô nessa opinião: as pessoas têm pouca fé e daí se atiram nas coisas ruins, como a droga por exemplo, que rouba os filhos da família. A falta de fé e as drogas são o grande mal dos últimos tempos.
TEM ALGUM SEGREDO PARA SUA LONGEVIDADE? 
Dona Mila - Se tiver algum segredo, um deles é tomar muita água, principalmente de noite antes de dormir. A fome não e tanto, mas água e muito importante. Nunca precisei tomar remédio pra dormir. De tarde sesteio e de noite durmo por volta das 11 horas, porque gosto de ver notícias e reportagens. Nós, velhos, se não nos informarmos um pouco ficamos muito bobos. A gente tem que acompanhar o que está acontecendo no mundo. Não só notícias ruins, mas também ver lugares bonitos, que a gente não tem como ir conhecer. Daí viajamos vendo na televisão.
MAS E DE DANÇAR, A SENHORA AINDA GOSTA?
Dona Mila - Ah, isso sim (diz com um baita sorriso). Fui a primeira rainha e primeira presidente do grupo da Terceira Idade Reviver, de Roque Gonzales. Aprendi a dançar com meu marido e sempre que posso vou aos bailes dançar uma marca. Ouvir música e dançar faz bem pra qualquer pessoa.
COMO A SENHORA ANALISA O FUTURO?
Dona Mila - A pessoa não deve pensar só no amanhã. Amanhã é um dia que ninguém ainda ocupou, por isso a gente deve fazer planos pra hoje. Amanhã, nem sabemos se estaremos vivos. Temos que ocupar a cabeça hoje.
QUAL O CAMINHO PARA QUE A PESSOA SIGA EM FRENTE NA BUSCA DE OPORTUNIDADES?
Dona Mila - Sabe o que, o meu conselho é que a pessoa tem que aprender tudo o que ela pode aprender, porque saber não ocupa lugar na cabeça. Mesmo que a pessoa pense que não vai precisar, ela tem que aprender tudo o que puder. Eu era dona de casa, fazia costuras, tricô, crochê e ainda benzia. Do mesmo jeito isso vale pra quem não pode estudar: aprender sempre do jeito que der. Não tem idade para aprender, pois enquanto temos saúde temos vida. A gente tem que sempre tentar e confiar em Deus, porque é Ele que ilumina e mostra o melhor caminho. 
Notícia:​ CAMINHOS DA ARTE DE EMPREENDER ​
Notícia: ​DESAFIOS DOS EMPREENDEDORES DA INFORMAÇÃO
​Notícia: MANO LIMA: ENTRE A GAITA E O CHAPÉU
Notícia:​ A ARTE DE BENZER E FAZER O BEM 

Notícia: MISSÃO: ILUMINAR O CAMINHO DOS MISSIONEIROS
Karin Schmidt: 
Jornalista e Documentarista
KSS Comunicação

EM DESTAQUE

Churrascaria do Chico

Fazendo vontades com sabor, qualidade e economia.

Saiba mais

Sindilojas

Restaurante Quick

Restaurante mais tradicional de Santo Ângelo com 28 anos de atuação.

Saiba mais

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...